Pomba do Divino em Paraty - Foto: Ricardo Gaspar
Pomba do Divino em Paraty – Foto: Ricardo Gaspar

 

A Festa do Divino em Paraty é uma das tradições mais fortes da cultura paratiense. A cidade toda se envolve e, quem visita a cidade, tem a oportunidade de participar desta autêntica manifestação popular. Conheça os principais pontos da Festa do Divino em Paraty


Patrimônio imaterial inscrito no Livro de Registro das Celebrações do IPHAN em 03/04/2014

O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, reunido na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Brasília, aprovou no dia 3 de abril de 2013, o Registro da Festa do Divino Espírito Santo de Paraty, no Rio de Janeiro, como Patrimônio Cultural Brasileiro. De acordo com o parecer do DPI sobre a festividade , trata-se de uma celebração representativa da diversidade e da singularidade, com elementos próprios, fundamental para a construção e afirmação da identidade cultural do paratiense. A Festa possui, ainda, relevância nacional, na medida em que traz elementos essenciais para a memória, a identidade e a formação da sociedade brasileira, além de ser uma referência cultural dinâmica e de longa continuidade histórica.

Igreja da Matriz na Festa do Divino em Paraty  - Foto: Ricardo Gaspar
Igreja da Matriz na Festa do Divino em Paraty – Foto: Ricardo Gaspar

Origem
Costuma-se associar a devoção ao Divino Espírito Santo em Paraty às festas realizadas nas Ilhas dos Açores, uma explicação corrente não somente entre pesquisadores como também entre os moradores de Paraty, constituindo de certo modo um mito de origem para a realização e a permanência da Festa do Divino na cidade há mais de três séculos. Alguns historiadores atribuem a origem do culto à devoção da Rainha Isabel (1271-1336), e à construção da Igreja do Divino Espírito Santo em Alenquer, Portugal, onde teriam se realizado os primeiros festejos, estabelecendo a tradição que seria levada aos Açores e depois ao Brasil.

 

 

Fachadas enfeitadas na Festa do Divino em Paraty - Foto: Ricardo Gaspar
Fachadas enfeitadas na Festa do Divino em Paraty – Foto: Ricardo Gaspar

A cidade e a festa
No Centro Histórico e em seus arredores estão localizados os principais espaços da Festa: a Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, a Praça da Matriz e as casas de famílias paratienses, que se abriram tantas vezes para se transformar na Casa do Festeiro. Os fiéis, os religiosos, as autoridades, os moradores da zona rural, da zona urbana, todos se juntam nesses dias da Festa, que mesclam devoção e entretenimento, religião e cultura. Um responsável, o festeiro, e um corpo de auxiliares, a “Comissão da Festa”, encarregam-se a cada ano da organização da Festa, cuidando de envolver a comunidade no esforço coletivo de sua realização, e representando quase sempre a sua participação como uma forma de devoção, um momento privilegiado de pagar promessas e agradecer pelas graças recebidas. A Festa é um símbolo da relação que se estabelece com o Divino, mas também a ocasião de confraternização de variados grupos sociais, dando espaço para que todos participem, seja nos atos litúrgicos associados às figuras do festeiro e do imperador, seja nos divertimentos, garantindo assim a identidade, individual e coletiva, através de uma memória comum, herdada e transmitida.

A preparação da Festa
A preparação ocorre durante todo o ano que antecede a Festa. A primeira preocupação do festeiro será angariar donativos, seja em alimentos, ou produtos que possam ser vendidos em rifas ou bingos, seja em dinheiro, ou mesmo em serviços, através do trabalho voluntário dos fiéis. A comissão da Festa segue vendendo doces durante finais de semana e em eventos culturais da cidade. A preparação se acelera a partir do domingo de Páscoa, cinquenta dias antes da Festa: todos da comissão da Festa são convidados a se inscrever em um dos vinte grupos de tarefas, que vão da decoração da igreja e das ruas da cidade à definição de quais meninos exercerão a função de Imperador do Divino e sua corte, passando por muito mais, como recolher os oitocentos frangos para o preparo do almoço da Festa…

 

Mastro da Festa do Divino em Paraty - Foto: Rogerio Huss
Mastro da Festa do Divino em Paraty – Foto: Rogerio Huss

 

Levantamento do Mastro
No domingo de Páscoa, da casa do festeiro, de onde partem todas as ações da Festa, sai a procissão com as bandeiras, acompanhada pela Folia do Divino e pela Banda Santa Cecília, levando o quadro do mastro, a esfera que representa o mundo e a pomba que encimarão o mastro. Ao lado da Matriz, o mastro é montado e erguido, e a procissão retorna à casa do festeiro.

 

 

 

Festa do Divino - Procissão das bandeiras - Foto: Ricardo Gaspar
Festa do Divino – Procissão das bandeiras – Foto: Ricardo Gaspar


Abertura da Festa: as procissões

No primeiro dia, a cidade é acordada de manhã pela Alvorada Festiva, com a Banda Santa Cecília percorrendo as ruas do Centro Histórico. À noite, precedida pelos foguetes, parte a procissão da casa do festeiro à igreja: a comissão da Festa segue à frente, tendo um lugar diferenciado na procissão e no altar da igreja, como reconhecimento pelos meses de trabalho. A procissão, em que vão se alternando os versos cantados da Folia e os dobrados da banda, para em frente à casa de um devoto para apanhar a bandeira da promessa, e segue para a primeira ladainha na igreja. Após a missa, a procissão volta com as bandeiras, foguetes, banda e Folia para a casa do festeiro, deixando no caminho a bandeira da promessa na casa de outro devoto. Esse ritual se repetirá nos oito dias seguintes da novena.

Festa do Divino em Paraty - Comes e bebes - Foto: Ricardo Gaspar
Festa do Divino em Paraty – Comes e bebes – Foto: Ricardo Gaspar

 

Programação profana: a praça
Durante os dez dias de Festa, após as celebrações da novena, acontecem eventos populares na Praça da Matriz que, em relação à programação religiosa, é conhecida como programação profana ou popular. Competições esportivas, gincanas, concursos, apresentação de shows musicais, danças, cirandas e outras atrações participativas, que envolvem os moradores de Paraty.

 

 

Cirandeiros na Festa do Divino em Paraty -  Foto: Ricardo Gaspar
Cirandeiros na Festa do Divino em Paraty – Foto: Ricardo Gaspar

 

O sábado da Festa
O sábado começa às sete horas da manhã na casa do festeiro, com a distribuição de carne aos pobres. Às nove horas, saem as bandeiras da casa do festeiro, acompanhadas pela banda de música, pela Folia e pelo povo, que percorrem as ruas da cidade e os bairros mais próximos, rua por rua, casa por casa, pedindo esmolas. É o Bando Precatório, que termina na hora do almoço.

 

 

Festa do Divino em Paraty - Almoço comunitário - Foto: Ricardo Gaspar
Festa do Divino em Paraty – Almoço comunitário – Foto: Ricardo Gaspar

 

O almoço do Divino
O almoço é uma macarronada, carne assada com batatas, frango assado ou cozido, arroz e a tradicional farofa de feijão, preparados durante uma semana pelas cozinheiras do Divino. Após a benção do alimento, são servidos cerca de dez mil pratos. Todos comem de graça: um momento de confraternização e solidariedade em que se expressa o dar, receber e retribuir que são o cerne simbólico da Festa. Brincadeiras tradicionais ocorrem para as crianças na praça, com a presença dos bonecos folclóricos: Boi-de-pano, Miota, Peneirinha, Cavalinho.
 

 

Marra-paiá na festa do Divino em Paraty - Foto: Ricardo Gaspar
Marra-paiá na festa do Divino em Paraty – Foto: Ricardo Gaspar

A Celebração de coroação do imperador 
Na noite do sábado, a procissão sai da casa do festeiro tendo à frente o menino que será coroado, os vassalos e os guardas, para a última ladainha da novena. Na Igreja Matriz, a corte imperial tem lugar especial no altar, com o trono do imperador já montado. Após o rito da Comunhão, o menino é chamado pelo Padre, e à frente da mesa do altar, de joelhos e de costas para o povo, os festeiros colocam sobre ele a capa, a sobrecapa, entregam-lhe o cetro, e ele é coroado. Após a missa, o imperador segue com sua corte para o Império, de onde assiste às danças folclóricas em sua homenagem: a Dança dos Velhos, das Fitas e o Marrapaiá de Cunha (congada).

 

Menino Imperador e seus vassalos na Festa do Divino em Paraty - Foto: Ricardo Gaspar
Menino Imperador e seus vassalos na Festa do Divino em Paraty – Foto: Ricardo Gaspar


O domingo: a Celebração de Pentecostes

O grande dia é anunciado pela alvorada de sinos e foguetes às seis horas da manhã, acordando a cidade inteira para a Festa. Às nove horas sai da casa do festeiro a procissão em direção à Igreja Matriz, com o imperador e seus vassalos à frente. Após a missa, ocorre a soltura simbólica de um preso. O imperador segue então com a procissão para a casa do festeiro, onde faz a distribuição dos doces para uma enorme fila, sobretudo de crianças, a sua espera.

 

 

 

Festa do Divino em Paraty - Procissão com o andor do Resplendor - Foto: Ricardo Gaspar
Festa do Divino em Paraty – Procissão com o andor do Resplendor – Foto: Ricardo Gaspar

Celebração de ação de graças: o encerramento
Por volta das cinco horas da tarde, mais uma vez a procissão com o andor do Resplendor do Divino Espírito Santo, bandeiras, Folia e banda, segue da casa do festeiro para a Igreja Matriz, para a Celebração de encerramento, em ação de graças. Durante essa missa, o Padre convida todos a saírem em procissão da igreja, nessa ordem: a cruz e os tocheiros, os estandartes dos santos festejados na cidade, o imperador, os vassalos e os guardas, o andor, o pároco, os festeiros e as bandeiras, a Folia, a banda e o povo. A grande procissão percorre algumas ruas do Centro Histórico, parando em frente às outras Igrejas, e retorna à Matriz. O Padre convida os festeiros ao altar para dar o testemunho sobre sua experiência na festa, apresenta o novo casal de festeiros, e chama a subir ao altar a nova comissão da Festa. O fitão e a bandeira são então entregues ao casal de festeiros novos, terminando a missa de encerramento de forma muito eficaz tanto para o fortalecimento e a perpetuação da fé quanto para o ciclo a Festa do Divino. O cortejo sai da igreja para a casa dos novos festeiros, onde lhes são passadas as insígnias da Festa, em cerimônia conduzida pela Folia do Divino.

(texto compilado a partir do Dossiê de registro da Festa do Divino Espírito Santo em Paraty, IPHAN, 2009-10) 

Veja mais fotos da Festa do Divino em Paraty:

Meu nome completo é Elizabeth Fromm Freire Gaspar, mas uso apenas Elizabeth Gaspar por ser mais fácil de lembrar. Tenho formação em Terapia Ocupacional pela USP, com especialização em Saúde Pública, área que atuei por vários anos. Mas foi em 1995 que Ricardo Gaspar, meu marido e sócio na PWI Web Studio, me apresentou à internet que nascia comercialmente no Brasil. Logo em 1996 nascia o nosso portal www.paraty.com.br e, pronto! Eu já estava fisgada definitivamente por uma nova paixão profissional: o Marketing Digital. Música, artes, história são outras grandes paixões e, mais do que tudo isso, amo viajar para poder conhecer novos lugares, pessoas, costumes e culturas.

8 Respostas para “Festa do Divino Espírito Santo”

  1. Viviane disse:

    Olá boa noite estou realizando um trabalho, será que você poderia me ajudar respondendo algumas perguntas?
    meu e-mail é vcrisramalho@yahoo.com.br

    Desde já obrigada

  2. Solange Bacelar disse:

    Festa sempre maravilhosa…Ainda criança me lembro com carinho da primeira vez que participei da festa guiada pelos braços de minha avó !

  3. […] acordo com o Blog de Paraty, a festa conta com diversas etapas, que podem ser resumidas da seguinte maneira: a preparação do […]

  4. Mauro Segura disse:

    Prezada Elizabeth.
    Gostaria de saber se posso reproduzir o seu texto (com os devidos créditos) em meu blog sobre Paraty. Achei o texto excelente e bem didático. Ter essa descrição no meu blog ajudaria muito as pessoas a conhecerem a Festa. Eu vou publicar com um conjunto de fotos que tirei agora em 2015. Obrigado. Mauro Segura.
    http://www.vivaparaty.blogspot.com

  5. […] um pouco da tradição da festa lendo o post FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO com informações selecionadas do Dossiê de registro da Festa do Divino Espírito Santo em Paraty, […]

  6. Edilena Pinheiro disse:

    Fiquei sabendo e gostaria muito de ajudar no próximo ano.
    Site muito interessante e lindo.

  7. mauro rodrigues disse:

    ola boa noite, sou comerciante e gostaria de saber como faco para alugar um espaco e por minha mercadoria na feira?? ano passado eu fiz mas esse ano perdi o contato.

Deixe um comentário




*