Giancarlo Mecarelli criador do Paraty em Foco - Foto: Ricardo Gaspar
Giancarlo Mecarelli criador do Paraty em Foco – Foto: Ricardo Gaspar

Italiano de nascença, brasileiro de criação e morador de Paraty por opção e encantamento, o fotógrafo Giancarlo Mecarelli é responsável por um dos mais importantes eventos de fotografia do mundo: o Paraty em Foco, que neste ano comemora sua 10ª edição. Em nossa conversa vamos conhecer um pouco de sua história pessoal com a fotografia, sobre os bastidores do Paraty em Foco e seu olhar aguçado sobre a cidade de Paraty.  

PARATY.COM.BR: Como foi sua história na fotografia? Como você começou, como pegou gosto? MECARELLI: Nasci primeiramente como ilustrador, há 50 anos atrás. Comecei a trabalhar em ’64. Eu tinha o dom de desenhar. Naquela época alguns amigos de meu pai, tinham agência de publicidade e falavam “Esse garoto desenha bem, pode trabalhar com publicidade e ganhar bastante dinheiro”. Isso ficou na minha cabeça e com 18 anos decidi começar a trabalhar. Consegui uma entrevista na Norton Propaganda, de São Paulo. Fiquei três meses preparando meu portfólio e fui procurar um outro emprego por que esse era meio arranjado. O meu segundo emprego como ilustrador foi na agência Standard, na Praça Roosevelt, e já comecei ganhando um bom dinheiro. Nessa agência trabalhavam grandes artistas como o Duailibi (o D da DPZ), Neil Ferreira, um redator super badalado. Tinha um diretor de arte argentino chamado Anibal Guastavino. Naquela época, além de ilustrar, fazíamos layout, tudo à mão. A grande referência na época era a propaganda americana. Trabalhando junto aos diretores de arte, comecei a tomar gosto pela fotografia pois via como era o trabalho deles e como era a direção de arte. No Brasil, de 64 a 67 eu só trabalhei como assistente de Diretor de Arte. Trabalhei também na agência Alcântara Machado.

Giancarlo Mecarelli na Galeria Zoom - Foto: Ricardo Gaspar
Giancarlo Mecarelli na Galeria Zoom – Foto: Ricardo Gaspar

Em 67 fui para Portugal e  fiz dupla com Antonio Torres. Hoje ele está na Academia Brasileira de Letras. Depois de um ano fui para Milão. A primeira agência que entrei em contato foi a McCann-Erickson, onde comecei imediatamente e já peguei um projeto grande para desenvolver, mas ainda como ilustrador. Trabalhei muito nessa época também como free lancer. O pessoal com quem trabalhei na McCann-Erickson saiu e foi para outra agência e me convidou para ir junto, mas já como Diretor de Arte. Nessa função eu tinha que escolher os fotógrafos. Na primeira campanha que eu fiz, fui para Londres, onde tinha um fotógrafo genial. Ele tinha uma agência que encontrava tipos estranhos. Nesse processo de escolha de fotógrafo para as campanhas publicitárias que eu dirigia, conheci também o Oliviero Toscani, que fez as campanhas da Benetton, e fizemos juntos vários trabalhos.  Cada vez que ia fazer um trabalho ficava muito atento ao fotógrafo. Aprendi muito com isso. Voltei ao Brasil, no Rio de Janeiro, em 72 e nessa época trabalhei em agências importantes como DPZ, Denison. Até que um dia decidi sair da agência e montar um estúdio chamado Foto Magia. Eu tinha feito um curso para entender melhor a fotografia e na DPZ havia um estúdio completo onde eu comecei a praticar bastante. Nessa época trabalhei também com fotógrafos importantes como David Zingg, Antônio Guerreiro e conheci então o Walter Firmo.

Giancarlo Mecarelli - Foto: Ricardo Gaspar
Giancarlo Mecarelli – Foto: Ricardo Gaspar

Depois de 9 anos, retornei para a Europa voltando a trabalhar como diretor de arte, primeiramente em Barcelona e depois de alguns anos voltei a Milão para trabalhar na Young Rubican. Em 87 saí da agência para ser um fotógrafo e diretor de arte freela. Isso por que peguei uma revista de propaganda para fazer e, então, comecei a criar as capas, fotografando. O pessoal foi me conhecendo e me chamando. Nisso eu tinha uma vantagem pois, além de fotógrafo eu era diretor de arte, o que ajudava a resolver problemas. Também em Milão fiz uma exposição dos meus trabalhos. Ao invés de quadros, a exposição utilizou camisetas como suporte. Isto chamou muito a atenção da mídia. Depois fiz uma exposição em ´94, num espaço muito frequentado por publicitários. O catálogo foi bancado pela Image Bank, Kodak e Mamiya. Um amigo brasileiro foi a Milão,  viu o catálogo e me convidou a fazer uma exposição na Escola Panamericana de Arte, na unidade da Rua Groenlândia em São Paulo. Isso aconteceu em ’96. Na época, eu fiquei só 4 dias no Brasil e fui parar até no Jô Soares. Foi uma bela exposição com ampliações de 1,5 m x 1,5 m e teve uma repercussão incrível. Na ocasião a Revista Iris, que era seguida por todos os fotógrafos, dedicou a capa e 8 páginas ao meu trabalho. Mas, na verdade esse não era meu mundo, eu vinha do mundo da propaganda. Voltei para a Europa e fiquei  oito anos sem vir ao Brasil quando surgiu a oportunidade de fazer um catálogo de moda praia. Escolhi ir para Cabo Frio e Búzios, que tinha um clima menos chuvoso e, também,  com as dunas também dava para fazer fotos mais polarizadas. Isso foi em 2004, a 10 anos atrás. Como sobraram 4 ou 5 dias resolvi  passar por  Paraty a caminho para SP. Eu já tinha estado com minha esposa em ’93 e a gente já tinha ficado encantado. Na época ficamos hospedados no Hotel Coxixo (hotel que à época pertencia à atriz Maria Della Costa).

Assista no vídeo como foi a vinda de Giancarlo Mecarelli para Paraty e como se deu o início do Paraty em Foco:

X Paraty em Foco

PARATY EM FOCO COMEMORA 10 ANOS

1.225 trabalhos de 27 países foram inscritos na convocatória aberta do Festival Internacional de Fotografia de Paraty – Paraty em Foco, que completa 10 anos em 2014. São artistas das mais diversas origens e com os mais distintos processos e temas que querem ocupar as ruas da cidade nos cinco dias escolhidos para pensar a fotografia, de 24 a 28 de setembro, no litoral fluminense. A edição de aniversário do Festival contará com 22 workshops, 13 entrevistas e cerca de 10 exposições. Novidades Diferente dos últimos anos, todas as entrevistas acontecerão na Tenda da Matriz, e terão entrada livre e gratuita, sem a necessidade de retirada de ingressos. Os workshops tiveram seus preços reduzidos, a maioria a 450 reais, e também agora com outra opção de curso, os chamados masterclasses, que acontecerão na Casa de Cultura, para mais de 100 pessoas cada, sendo um por dia, a 200 reais. O Paraty em Foco é um dos dez maiores festivais do gênero no mundo, agregando profissionais, amadores da fotografia e interessados na produção cultural e fotográfica de maneira geral. O evento alcançou um público de mais de 6 mil pessoas em sua última edição. O evento é dirigido pelos fotógrafos Iatã Cannabrava e Giancarlo Mecarellli, contando com a participação de um conselho diretor formado por Cassiano Elek Machado, Claudia Jaguaribe, Claudio Edinger, Clício Barroso, Eduardo Muylaert, Isabel Amado, Juan Esteves, Rosely Nakagawa e Rubens Fernandes Júnior. INSCRIÇÕES ABERTAS PARA OS WORKSHOPS: www.paratyemfoco.com

PARATY.COM.BR : E com essa facilidade das câmaras digitais, da banda larga, dos espaços de publicação como as mídias sociais, como você sente que é a profissão  do fotógrafo hoje? MECARELLI: A profissão mudou muito e vai mudar mais ainda. Hoje há muito mais concorrência, e os valores obviamente baixaram , mas os profissionais que tem nome continuam sendo bem pagos. Hoje todo mundo é fotografo, até com um bom celular, sabendo editar, dá para fazer uma excelente foto. Dentro dessa nova fotografia, quem se destaca é quem tem um passado. Hoje, criou-se uma nova linguagem de imagens, tem aquela super improvisada que se percebe ser amadora, e aquela que não é um chute e mexe com a gente, isso é bom! No site Paraty em Foco no Portfólio em Foco da para ver bem esses novos trabalhos.  PARATY.COM.BR: Como é teu trabalho atual com a fotografia? MECARELLI: Eu vindo para cá me isolei um pouco. Para trabalhar deveria ir para São Paulo e não era essa a idéia. Aqui fiz alguns trabalhos como uma revista para o Paraty Convention & Visitors Bureau, tem a Galeria Zoom e, lógico o Paraty em Foco.

Giancarlo Mecarelli - Foto: Ricardo Gaspar
Giancarlo Mecarelli – Foto: Ricardo Gaspar

Eu ultimamente tenho fotografado pessoas nas ruas, em situações urbanas. Tenho postado no Facebook – Uma foto por dia, fotos que mostram outra realidade de Paraty, o colorido da Ilha das Cobras, da Mangueira, para mostrar que Paraty não é só o Centro Histórico. Essa coisa me fascina bastante. Eu tenho também organizado cursos, workshops com fotógrafos que vem expor na Galeria Zoom. Eu mesmo também ministro workshops dentro da minha especialidade que é glamour, fotos com pessoas. Desde que chegamos eu e minha esposa, pensamos que deveríamos ter um intercâmbio, ou seja, achamos que se estamos obtendo algo da cidade, temos que dar algo em troca. Por isso temos um trabalho social com o  ITAE. No Patrimônio, este ano, fizemos uma parceria com a Associação Cairuçu e ministramos oficinas para uma classe de jovens do quinto ano, com a  ajuda do fotógrafo André Azevedo . Na Secretaria da Educação ajudamos com a curadoria para a realização de um concurso de fotografia com 10 escolas rurais que até gerou uma exposição e um calendário de mesa. Não estou aqui como comerciante, busco que a cidade cresça dentro de sua aspiração de cidade cultural.

Assista no vídeo como é o trabalho de se montar um evento como o Paraty em Foco:

Como sempre, finalizamos a entrevista com as mesmas perguntas aos nossos entrevistados. Vamos a elas!

PARATY.COM.BR: Qual é a Paraty que você recomenda ao turista?

Galeria Zoom
Galeria Zoom

MECARELLI: O Centro Histórico é importante de ser visto com atenção, o seu charme, a delicadeza desta arquitetura, que é muito cenográfica. Paraty é uma cidade turística completa, como existem várias na Europa, como na costa da Itália. Aqui tem muitos artistas com ateliers interessantes, bares e restaurantes divertidos, com música à noite. Recomendo fazer um belo passeio de barco e, se estiver no fim-de-semana, recomendo visitar a Galeria Zoom onde sempre há uma boa exposição e eu estou sempre aqui para um bom bate-papo. PARATY.COM.BR: O que você acha que deveria mudar em Paraty? MECARELLI: Acho que Paraty deveria ser mais cuidada. Com melhor nível de limpeza. Comparando com outras cidades europeias de mesmo nível, Paraty precisa de mais cuidado. Tem que ter cuidado com a violência que está crescendo muito. Isto é até uma preocupação para quem faz um evento, não só pensando em quem vem , mas também nas pessoas que moram na comunidade e ficam à mercê de personagens não muito legais. Tem que ter mais atenção social na cidade, que precisa melhorar muito. Melhorar a educação é fundamental para que a cidade cresça melhor, com bons cidadãos. PARATY.COM.BR: E o que você acha que não deve mudar em Paraty? MECARELLI: Tem que se manter o Centro Histórico. Não deixar construir nas encostas (aqui ainda é diferente de Angra e Ubatuba). No entanto, é  difícil conter as mudanças, por que as pessoas vão tendo mais poder aquisitivo, querem coisas. Também quem não quer que nada mude, é por que vai a algum lugar paradisíaco só no fim de semana e não vive a dura realidade diária. Tem que ter consciência para não deixar estragar, mas as pessoas também tem que ter direito ao conforto, à nova realidade do país que está crescendo. Uma vez fui numa reunião na Ilha das Cobras e havia um pessoal que falava que Paraty deve ficar como era antigamente. Aí uma senhorinha da Cajaiba falou que ela acordava às 3h da manhã para ajudar o marido na pesca e que os filhos não tinham escola. Agora, ela mora na Ilha das Cobras e tem supermercado, tem escola.  PARATY.COM.BR: Mecarelli, onde você nasceu? MECARELLI: Na Itália, na Piccola Cittadina di Trevi, na Úmbria, cidade com mais de 2000 anos de existência. A cidade é da região onde ficam as cidades de Assis e Cássia, onde nasceu Santa Rita. Minha avó era super devota de Santa Rita. PARATY.COM.BR: E você veio reencontrar Santa Rita aqui… (risos).

PENSANDO A FOTOGRAFIA

Anjos - Giancarlo Mecarelli
Anjos – Giancarlo Mecarelli

Eu acho que a fotografia é aquela imagem que você olha e é um conto, um pequeno conto. Se eu quero transmitir alguma coisa com a fotografia, se eu quero transmitir aquele momento, eu tenho que transmitir aquele momento, que seja uma idéia, glamour, uma reportagem. É isso a fotografia. Não tem que se explicar, fazer uma fotografia e escrever um texto abaixo “Eu fiz essa fotografia quando eu estava frustrado, na minha vida…!. Isso para mim é … não vou falar por que é um palavrão.

Tem uns trabalhos do Portfolio em Foco, que eu analiso, com propostas completamente novas, com foto e texto, que eu achei genial. Eu estou aberto ao novo, mas desde que não seja algo chutado, que a máquina faz, por que hoje em dia que faz a foto é a máquina. Uma foto boa tem que transmitir.

’68 – Era a época do Blow Up, do Antonioni. A fotografia nessa época estava no auge. Era uma época em que aconteciam muitas novidades e eu estava lá.

Teve uma situação gozada: fiz uma foto de uma menina muito sensual, de biquíni. Aí veio alguém comentando: “Um bom Photoshop melhorava muito a foto”. As pessoas ficam hoje parecendo de plástico… mas a beleza está na pessoa real.

Um diretor foi fazer um trabalho com o fotógrafo Otto Stupackov antes dele viajar para os Estados Unidos. Depois ele viajou e os concorrentes dele era o Avedon, Newton, grandes feras da fotografia e ele conseguiu se impor no meio dessa turma. E não é fácil. Ele voltou há alguns  anos atrás e nós o convidamos para vir no 2º. Paraty em Foco. Ele faleceu 2 anos depois. Quando se vê o trabalho desses grandes fotógrafos, dá vontade de fotografar. Mas hoje vejo trabalhos que dá vontade de não fotografar mais, de jogar fora a máquina.

Assista no vídeo os comentários de Giancarlo Mecarelli sobre uma boa fotografia:

Veja algumas imagens do Paraty em Foco:

Meu nome completo é Elizabeth Fromm Freire Gaspar, mas uso apenas Elizabeth Gaspar por ser mais fácil de lembrar. Tenho formação em Terapia Ocupacional pela USP, com especialização em Saúde Pública, área que atuei por vários anos. Mas foi em 1995 que Ricardo Gaspar, meu marido e sócio na PWI Web Studio, me apresentou à internet que nascia comercialmente no Brasil. Logo em 1996 nascia o nosso portal www.paraty.com.br e, pronto! Eu já estava fisgada definitivamente por uma nova paixão profissional: o Marketing Digital, tema ao qual me dedico integralmente, sempre aprendendo coisas novas. Música, artes, história são outras grandes paixões e, mais do que tudo isso, amo viajar para poder conhecer novos lugares, pessoas, costumes e culturas.

Deixe um comentário




*