“Paraty é uma beleza, juntar boa música com esse cenário paradisíaco é imbatível, irresistível…”

Fotos: Ricardo Gaspar

Na noite de 07 de junho de 2017, tivemos um gostoso bate papo com Edgard Radesca  numa sala lateral no seu Bourbon Street Music Club, em São Paulo. A sala é decorada com fotos em preto e branco dos inúmeros shows que já aconteceram na casa. Radesca é o realizador do Bourbon Festival Paraty, que neste ano completa 9 edições.

Paraty.com.br: O Bourbon Street Music Club existe há quanto tempo? Sempre teve esta proposta musical?

Radesca: Ano que vem o Bourbon Street comemora 25 anos de existência. Inaugurou em 1993.

Veja o quadro comemorativo dos 21 anos de vida com o nome de todos os artistas que já subiram ao palco do Bourbon Street Music Club:

Sou  engenheiro de formação e trabalhei muito anos como executivo. Depois abri uma consultoria. Mas, sempre fui apaixonado por música, indo a todos os shows que apareciam na cidade.

Meu concunhado, Luis Fernando Mascaro, veterinário de formação, também apaixonado por música, viajou a New Orleans e voltou querendo fazer um clube que trouxesse a música e o espírito de New Orleans para São Paulo.

Edgard Radesca

Depois de muitas conversas madrugada adentro, viramos sócios e viajamos a New Orleans. Através de amigos, conseguimos marcar uma entrevista com o assessor de relações internacionais da prefeitura de New Orleans, que se entusiasmou com a ideia. A conversa foi muito positiva, embora esperássemos, não só a simpatia, mas também um apoio financeiro, o que não ocorreu… Os primeiros contatos do Bourbon se deram a partir de uma carta de apresentação do prefeito de New Orleans a uma lista selecionada de jornalistas, galerias de arte, empresários. Isto ajudou muito a iniciar com o pé direito e até hoje, o Convention & Visitors Bureau de New Orleans apoia o projeto institucionalmente, o que nos dá muito orgulho.

O Bourbon já nasceu com grandes ambições, querendo fazer as coisas muito bem feitas, trazendo grandes músicos e proporcionando uma experiência completa, transportando o astral e a alegria de New Orleans para o Brasil.

A casa abriu as portas em 1993 com 4 noites e show com ninguém menos do que BB King. Foi um sucesso total!

Paraty.com.br: Quem são os músicos que ainda sonha em trazer?
Radesca: Muitos dos que eu queria trazer já morreram… Billie Holiday, Chet Baker, Nat King Cole…

Fotos de shows do Bourbon Street Club

Paraty.com.br: como está o jazz e o blues hoje? Há novidades?

Radesca: A música sempre passa por constantes renovações e hoje mais ainda com a facilidade das comunicações, gerando muitas influências.  No jazz isto é muito forte. O músico bebe de várias fontes: oriental, latina, hip hop, mainstream e faz música de seu jeito único.

O Blues tem também novos artistas, mas é um estilo mais amarrado nos 12 compassos. Surgem sim novos músicos com Gary Clark Jr, que atrai muito público jovem. Há muitas interseções como blues rock, folk blues… Veja, por exemplo, o último disco dos Rolling Stones como um disco de blues à moda dos Rolling Stones. No Brasil, Maria Gadu, Zeca baleiro também estão fazendo músicas com uma pegada blues.

O Blues já foi mais importante, embora sempre mantenha um grande público fiel. Hoje, vive um início de renovação, um renascimento.

Paraty.com.br: Como é feita a curadoria da programação?

Show de Joe Louis Walker

Radesca: Uma boa curadoria é uma ação coletiva. Ninguém é capaz de conhecer tudo de jazz e blues, e ninguém é o dono da verdade. Somos várias pessoas envolvidas (Eu, Herbert, Inês, Roberto, Oto, Maria Inês, Maria Fernanda, Bruno). Nós nos reunimos e debatemos as possibilidades e também estamos sempre abertos a sugestões de quem quiser colaborar.

Anualmente vou ao Festival de New Orleans que concentra mais de 500 shows, em dois fins de semana, divididos em 10-12 palcos, cada um com um estilo musical. Além de ouvir CDs e ver os vídeos na internet, acho muito importante assistir o músico ao vivo. Pelo menos 90% dos músicos que o Bourbon traz,  já assisti pessoalmente.

Paraty.com.br: Como a crise está afetando os projetos?

Radesca: Neste ano, o Bourbon  Paraty está sem um grande patrocínio e, para conseguir fazer o evento, houve um grande esforço coletivo: a Prefeitura conseguiu repassar o mesmo valor do ano passado, os comerciantes da cidade se organizaram e ofereceram diárias em hotéis e refeições, os músicos toparam se apresentar com um valor de cachê menor. Mesmo sendo um evento reduzido, com menos palcos e atrações, fazemos questão de manter a qualidade artística dos shows.

Paraty.com.br: Como surgiu o projeto Paraty?

Radesca: Quando o Bourbon Street completou 10 anos de vida, resolvemos fazer uma comemoração que, além de ter o BB King, incluísse uma amostra do Festival de New Orleans com 6-7 músicos de diversos estilos. Assim nasceu o Bourbon Street Fest em São Paulo, com shows na rua e no Parque do Ibirapuera, na época com o patrocínio da VIVO. A ideia era fazer isso apenas uma vez mas, atendendo a inúmeros pedidos, repetimos a experiência por 13 anos. Ano passado o festival não aconteceu, mas pretendemos retomá-lo em 2017.

E o próximo ano promete… o Bourbon Street Music Club comemora 25 anos de vida, a cidade de New Orleans festeja seus 300 anos e, claro, o Bourbon Festival Paraty chega à sua 10a edição.

A partir desse festival de rua, amigos de Paraty nos convidaram a fazer um festival de música na cidade. Já identifiquei Paraty como sendo o lugar ideal para se ter um festival de música e a primeira edição aconteceu antes do carnaval, de 2009.  Inicialmente sem patrocínio, mas com um grande esforço coletivo, o evento já foi um sucesso. No ano seguinte, a data foi mudada para um fim de semana entre a Festa do Divino e o Corpus Christi, período que se mantém até hoje.

Paraty.com.br: O Bourbon faz festivais em outras cidades também?

Radesca: Sim, em Ilha Bela, fazemos o Festival Folk and Blues e o Festival de Bossa e Choro.

Paraty Segundo Radesca:

“Paraty é uma beleza, juntar boa música com esse cenário paradisíaco é imbatível, irresistível.
A cidade tem uma vocação natural para a cultura de longa data, com presenças como Paulo Autran e Maria della Costa.
Paraty conta com bons músicos, inclusive neste ano estarão se apresentando no Bourbon o violonista John Wesley e a cantora Bell Brasil. No ano passado, o Palco Santa Rita recebeu a Orquestra Popular de Paraty. Faz parte da cidade ir a restaurantes e encontrar ótimos músicos. E o Bourbon quer potencializar esta vocação trazendo também os Buskers e a Street Band, com toda a alegria de New Orleans nas ruas de Paraty.
Este ano, com a perda dos patrocínios, realizar este evento em Paraty é, realmente um Tour de Force, é um esforço feito de coração. “

Começa amanhã, dia 09 de junho a 9a edição do Bourbon Festival Paraty. 

Veja a programação completa do Bourbon 2017

 

 

Meu nome completo é Elizabeth Fromm Freire Gaspar, mas uso apenas Elizabeth Gaspar por ser mais fácil de lembrar. Tenho formação em Terapia Ocupacional pela USP, com especialização em Saúde Pública, área que atuei por vários anos. Mas foi em 1995 que Ricardo Gaspar, meu marido e sócio na PWI Web Studio, me apresentou à internet que nascia comercialmente no Brasil. Logo em 1996 nascia o nosso portal www.paraty.com.br e, pronto! Eu já estava fisgada definitivamente por uma nova paixão profissional: o Marketing Digital, tema ao qual me dedico integralmente, sempre aprendendo coisas novas. Música, artes, história são outras grandes paixões e, mais do que tudo isso, amo viajar para poder conhecer novos lugares, pessoas, costumes e culturas.

Deixe um comentário




*