Paraty - Versão em português Paraty - English version
Baixe o Aplicativo de Paraty

PARATY TURISMO E ECOLOGIA

Semana Santa 2014

Semana Santa 2014


DE 13 A 20 DE ABRIL DE 2014


Desde seus primórdios que Paraty é uma cidade tradicionalmente católica, organizando e festejando anualmente cerca de 23 festas de cunho religioso, sendo as mais importantes a Festa do Divino, a Festa e Procissão marítima de São Pedro, Corpus Christi, a Festa de Santa Rita, a Festa de N.S. dos Remédios - Padroeira da Cidade - e a Semana Santa. Esta última, neste ano de 2014, será comemorada no período de 13 a 20 de abril.


Comemorações da Semana Santa na cidade histórica de Paraty mantêm tradições que datam dos séculos XVII e XVIII, ocasião em que podem ser admiradas imagens e peças sacras com mais de 300 anos de existência. Essas peças, que se encontram sob a tutela do IPHAN-Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, ficam guardadas todo o ano no cofre do Museu de Arte Sacra de Paraty, na igreja de Santa Rita. 


Todas as procissões e celebrações da Semana Santa são, até hoje, preservadas, tanto pela paróquia quanto pelo povo paratiense. Na verdade, algumas delas foram adaptadas - como, por exemplo, a Procissão do Encontro - que era realizada uma semana antes e, atualmente, acontece na própria Sexta-Feira. Seis peças de valor histórico-arquitetônico incalculável podem ser vistas na Sexta-Feira Santa em Paraty: os Passos da Paixão, abertos apenas uma vez por ano. 


Os Passos são pequenos altares embutidos em paredes de sobrados, casas e igrejas representando os principais momentos da Paixão de Cristo, tradição que veio de Portugal ainda no Brasil Colônia, tendo sido construídos passos em diversas cidades além de Paraty, como Tiradentes, Ouro Preto, Congonhas e São João del Rey, todas em Minas Gerais. Restaram seis Passos em Paraty, restaurados, sendo três na rua do Comércio, dois na rua Dona Geralda e um na lateral da igreja de Santa Rita. 


Um dos pontos altos da Semana Santa em Paraty é a Procissão do Fogaréu (ou da Prisão) da qual, no início, somente homens participavam, sendo as mulheres proibidas até de vê-la pelas janelas. Dessa procissão, reativada na década de 70 por um grupo de jovens paratienses, participava a figura do Centurião, que ia à frente do andor tocando uma corneta quando chegava à frente das igrejas. O Fogaréu, que inicia à meia noite de Quinta-Feira, simboliza a prisão de Cristo. Nessa procissão secular os fiéis saem pelas ruas de pedras do Centro Histórico portando fifós (tochas), com as luzes dos postes apagadas e ao som incessante de matracas - o que nos transporta a outros tempos. As matracas vieram substituir os sinos que, por serem motivo de júbilo, silenciam na Quinta-Feira Santa e só voltam a tocar no Domingo de Páscoa. 


É curioso notar durante a procissão que, em fila, os fiéis entram pelas laterais saindo pela porta principal de todas as igrejas do Centro Histórico. São duas explicações para este fato: uma litúrgica e uma popular. A versão litúrgica trata da indulgência plenária - o perdão dos pecados sem a confissão; e a popular estipula que a procissão do Fogaréu é uma dramatização dos passos de Cristo, isto é, as igrejas representam os lugares por onde Cristo teria passado após a prisão: Anás, Caifás, Herodes, Pilatos e presos nunca entram pela porta da frente. 


Além de Paraty, uma das poucas cidades onde ainda se mantém viva a tradição do Fogaréu - embora realizada de maneira distinta, sobretudo nos figurinos - é na cidade de Goiás Velho, em Goiás, agraciada pela Unesco com o título de Patrimônio da Humanidade.
Imagens sacras de valor incalculável podem ser admiradas durante as procissões da Semana Santa em Paraty: o Senhor dos Passos, do século XVIII, em tamanho natural, com braços articulados; o Cristo Crucificado, também em tamanho natural, usado na cena do Calvário, arte espanhola do século XVIII; a Nossa Senhora da Soledade, que sai na Procissão do Enterro, de 1.80m de altura e origem também espanhola, muito provavelmente do oitocentos; e o Senhor da Cana Verde e a N.S. das Dores, ambas igualmente do século XVIII, chamadas peças "de roca", isto é, figuras que possuem apenas a cabeça, os braços e os pés, muito comuns em Minas Gerais.


Durante as procissões da Semana Santa em Paraty podem ser vistas outras peças raras feitas em madeira, como o esquife do Senhor Morto, ou de prata ricamente lavrada, como as lanternas e o Pálio da Procissão do Enterro, entre outras.


Na sexta-feira santa acontece o já tradicional Auto da Paixão: Um Homem Chamado Jesus. às 21h30 no Areial do Pontal, com entrada gratuita. A encenação será na sexta-feira (18), a partir das 21h30, na Praia do Pontal. 

Em sua décima terceira apresentação, o auto da paixão de Cristo, escrito por Themilton Tavares,  traz novidades em 2014. Com a direção de Leonidas Passos, a peça terá cenários assinados pelo artista visual Jubileu conhecido pelo seu trabalho com papel machê e confecção das tradicionais máscaras de Paraty. O artesão Carlos José do Nascimento, o Casé, é responsável pelo novo figurino e chama a atenção para a vestimenta dos soldados romanos que utilizarão armaduras feitas em cobre. 

O espetáculo "Um homem Chamada Jesus" conta com a participação de um elenco de aproximadamente 100 pessoas, entre atores profissionais, amadores e crianças.


>> PROGRAMAÇÃO DE 2014

>>IMPORTANTE: Durante o feriado de Semana Santa ocorrerá o VIII Encontro de Ceramistas em Paraty.


 VEJA COMO FOI A PROGRAMAÇÃO RELIGIOSA DE 2013

Galeria de Fotos

  • Semana Santa em Paraty
    Semana Santa em Paraty Foto: Ricardo Gaspar
  • Semana Santa em Paraty
    Semana Santa em Paraty Foto: Ricardo Gaspar
  • Semana Santa em Paraty
    Semana Santa em Paraty Foto: Ricardo Gaspar
  • Semana Santa em Paraty
    Semana Santa em Paraty Foto: Ricardo Gaspar
  • Semana Santa em Paraty
    Semana Santa em Paraty Foto: Ricardo Gaspar
  • Semana Santa - Passo da Paixão
    Semana Santa - Passo da Paixão Foto: Ricard
<< Voltar

Termos mais procurados

Copyright © 1996-2011 - Paraty Turismo e Ecologia Criação do site: PWI