Paraty - Versão em português Paraty - English version
Baixe o Aplicativo de Paraty

PARATY TURISMO E ECOLOGIA

Golfinhos em Paraty

Como agir no caso de:

Baleia Minke

Baleia Minke

Família:
Balaenopteridae

Nome específico:
Balaenoptera acutorostrata ( Lacépède, 1804)

Nome comum:
baleia-minke, baleia-anã, minke whale

Distribuição:
Habita águas tropicais, temperadas e frias de todos os oceanos, tanto em áreas costeiras como em oceânicas. Ocasionalmente, pode penetrar em baías e estuários em águas de pouca profundidade. No verão, alimenta-se próximo dos pólos, no inverno migra para regiões mais quentes para se reproduzir e criar seus filhotes. Em algumas regiões, entretanto, são conhecidas populações residentes durante todo o ano, que não realizam mais do que pequenos deslocamentos. No Brasil, ocorre desde o Rio Grande do Sul até o nordeste. No talude continental (entre a extremidade da plataforma continental e os abismos oceânicos) da costa nordeste brasileira existe uma área de concentração dessa espécie durante seus períodos migratórios ( julho a dezembro).

Peso, medidas e características:
Corpo afilado, esguio e hidrodinâmico. A baleia-minke trata-se da menor baleia existente dentro da ordem dos Misticetos. O comprimento máximo dos machos é de 9,8m e das fêmeas é de 10,7m. O peso é de aproximadamente 10 toneladas. Sua coloração é preta ou cinza-escura no dorso e a região da barriga é branca. Pode existir uma mancha branca em ambas as nadadeiras peitorais que são pequenas e pontudas. Alguns adultos apresentam marcas claras no corpo, acima das nadadeiras peitorais, em forma de "parêntesis". A nadadeira dorsal é alta e falcada e localiza-se atrás do meio do dorso. Apresenta de 50 a 70 pregas ventrais, que não chegam a se estender atrás do umbigo. A cabeça é estreita e pontiaguda, com apenas uma quilha central. Possui de 105 a 415 pares de barbatanas que medem cerca de 30cm e são de coloração branco-amarelada, cinza-escura ou preta. O borrifo é indefinido ou pouco definido em forma de coluna e atinge cerca de 2m de altura. Existem 2 formas de baleias-minke no Hemisfério Sul que diferem de acordo com a cor padrão, caracteres morfométricos e coloração das barbatanas: a forma anã (de menor tamanho, com mancha branca) e a forma usual ("ordinary form", de maior tamanho e sem a mancha branca). Ambas ocorrem no Brasil sendo que a forma anã é mais comumente registrada que a forma usual, possivelmente como conseqüência de sua distribuição mais costeira. Evidências sugerem que indivíduos de ambas as formas podem ocorrer simultaneamente em médias e baixas latitudes no Brasil.

Como nascem e quanto vivem:
A maturidade sexual é alcançada entre 7 e 8 anos de idade, quando as fêmeas medem entre 7,3m e 7,9m e os machos entre 6,7m a 7m. A gestação dura aproximadamente 10 meses. O filhote ao nascer pesam cerca de 300Kg e mede 2,8m. A amamentação dura de 4 a 6 meses. O intervalo médio entre as crias é de 2 anos. Pode viver pelo menos, 47 anos.

Comportamento e hábitos:
É encontrada sozinha, em duplas ou em pequenos grupos. Grandes concentrações podem ocorrer nas áreas de alimentação. Ocasionalmente é vista na companhia de outras baleias e golfinhos. Nada rapidamente e é acrobata. Quando salta fora da água, em geral, mergulha de cabeça sem provocar muito barulho. Raramente expõe a nadadeira caudal quando mergulha. Aproxima-se de embarcações. As vocalizações incluem pulsos de baixa freqüência, e estalos e cliques ultra-sônicos.

Alimentação:
Principalmente no verão, em águas frias. Alimenta-se de krill, copépodos, pequenos peixes que formam cardumes e lulas.

Identificação Individual:
A mancha branca quando presente na nadadeira peitoral varia de largura e orientação de indivíduo para indivíduo. Manchas brancas naturais no dorso e a forma, marcas e cicatrizes na nadadeira dorsal podem ajudar a identificar distintos indivíduos.

Cativeiro:
Algumas baleias-minke já foram mantidas em cativeiro por períodos de 3 meses no Japão.

Inimigos Naturais:
Provavelmente as orcas (Orcinus orca).

Ameaças:
Atualmente, a baleia-minke sofre com a poluição dos mares, o aumento do tráfego de embarcações e a captura acidental em redes de pesca em toda a sua área de ocorrência. Enquanto a caça de baleias ainda era permitida no Brasil, a estação baleeira Companhia de Pesca do Brasil (COPESBRA), localizada em Costinha (Paraíba), explorou a população de baleias-minke desde o início da década de 50 que se concentra em águas oceânicas do nordeste. A caça foi proibida por Lei em 1987. Em todo o mundo, porém, somente após 1972 a baleia-minke passou a ser capturada em grande escala pela indústria baleeira. Antes disso, a exploração da espécie não era considerada interessante do ponto de vista econômico, pois ainda havia espécies de maior tamanho disponíveis para a caça comercial. Dessa maneira, após o declínio das populações das grandes baleias, a baleia-minke começou a sofrer a exploração dos grandes países baleeiros, com suas frotas de navios-fábrica. A moratória da caça de baleias foi decretada em 1986, proibindo a caça comercial de baleias no mundo. A moratória aparentemente chegou a tempo para a baleia-minke, que embora tenha continuado a sofrer com a caça ilegal e as capturas pretensamente científicas (atualmente realizadas pelo Japão, Islândia e Noruega), ainda não é oficialmente considerada ameaçada. Por outro lado, talvez seja essa a maior ameaça para as baleias-minke.

Status:
Encontra-se citada na categoria Dados Deficientes (IUCN, 1996).
<< Voltar

Termos mais procurados

Copyright © 1996-2011 - Paraty Turismo e Ecologia Criação do site: PWI