Centro Cultural SESC Paraty

Numa agradável conversa na tarde de 03/06/2016, com Marcos Henrique Rego e Beatriz de Oliveira Santos, gerente e coordenadora de programação do SESC Paraty, conhecemos melhor a proposta cultural do SESC para a cidade de Paraty.

Inicialmente, Marcos contextualizou a história do SESC, que completa 70 anos de existência. A instituição tem um Departamento Nacional, que funciona no Rio de Janeiro e seus departamentos regionais, presentes em todos os estados brasileiros. No entanto, o Departamento Nacional desenvolve alguns projetos especiais focando determinadas áreas, de forma a desenvolver uma experiência, uma pesquisa, uma metodologia de ação, que sirva de referência para todo o sistema SESC. É assim com o projeto ambiental no Pantanal, da Escola Nacional no Rio de Janeiro e, agora, com o Centro Cultural SESC Paraty, que, portanto, é um projeto ligado a esse Departamento Nacional.

A aproximação do SESC com a cidade se deu a partir de participações na FLIP, quando se percebeu quão rica é a cidade de Paraty. Seu Centro Histórico tombado, recheado de história e cultura, a beleza de sua mata, a vida no mar, a sua localização estratégica entre Rio e São Paulo, além do extenso calendário cultural que já existia.

Centro Cultural SESC Paraty

O SESC inicia sua presença em Paraty adquirindo um belíssimo sobrado no emblemático largo Santa Rita e alugando uma casa na Rua da Matriz, 20, também no Centro Histórico. Recentemente, também o SESC fez uma parceria com o Silo Cultural, na Vila Colonial,  para apresentações de espetáculos e realização de workshops.

Tradicionalmente, o SESC ao se instalar em uma cidade ou bairro, desenvolve um projeto, que pode abranger uma ou várias ações nas áreas de saúde, educação, lazer, esporte e cultura, e constrói suas unidades de forma a atender aos seus objetivos. No caso de Paraty, o processo foi totalmente diferente pois o SESC adquiriu um imóvel já construído e que faz parte de um centro tombado pelo patrimônio histórico nacional. Portanto, a reforma e adequação do imóvel para atender às atividades do SESC, deve obedecer às rigorosas regras do IPHAN.

Centro Cultural SESC Paraty

 

O sobrado do largo Santa Rita já começa a ser aberto ao público para exposições de grande importância, como a de Beatriz Milhazes e, agora, as fotos da Festa do Divino, fruto de  um workshop encabeçado pelo fotógrafo Walter Firmo. Para a FLIP 2016, o casarão deverá estar totalmente aberto  e equipado com salas de atividades, sala de audiovisual, palco, pátio de convivência e um charmoso bistrô.

 

 

Mas, a grande novidade que Marcos revela em primeira mão é que o SESC está definindo um local, fora do Centro Histórico, para construir uma nova unidade com sala de teatro, sala de cinema, área de convivência e muito mais. Portanto, em breve, Paraty receberá mais um espaço importante, totalmente destinado às atividades culturais.

O SESC busca se inserir no cotidiano da cidade, respeitando e ajudando a preservar a cultura local. Marcos conta que estão começando a fazer uma pesquisa relativa à rabeca em Paraty. Este instrumento já fez parte dos grupos de cirandeiros e hoje não mais está presente nos grupos que tocam cirandas em Paraty. O SESC também dialoga e participa ativamente de eventos que já existem na programação cultural da cidade, como a Folia Gastronômica, o Paraty Eco Festival, a Caravana Paraty, entre outros.

Mas, além de conviver com a realidade local, o SESC traz à cidade informações, linguagens e experiências com o que de melhor é produzido no Brasil. Para a próxima FLIP, a equipe promete uma extensa programação, que em breve será divulgada.

Nossa conversa aconteceu no primeiro dia do projeto VIVA HERMETO. A equipe do SESC Paraty, ao planejar a programação cultural para 2016, percebeu que nosso querido bruxo Hermeto Pascoal completaria 80 anos em junho e que esta seria uma grande oportunidade para reverenciar nosso grande músico, presenteando também a cidade de Paraty com sua música.

hermeto_80anos

CONHEÇA UM POUCO DO CENTRO CULTURAL SESC PARATY:

Meu nome completo é Elizabeth Fromm Freire Gaspar, mas uso apenas Elizabeth Gaspar por ser mais fácil de lembrar. Tenho formação em Terapia Ocupacional pela USP, com especialização em Saúde Pública, área que atuei por vários anos. Mas foi em 1995 que Ricardo Gaspar, meu marido e sócio na PWI Web Studio, me apresentou à internet que nascia comercialmente no Brasil. Logo em 1996 nascia o nosso portal www.paraty.com.br e, pronto! Eu já estava fisgada definitivamente por uma nova paixão profissional: o Marketing Digital. Música, artes, história são outras grandes paixões e, mais do que tudo isso, amo viajar para poder conhecer novos lugares, pessoas, costumes e culturas.

8 Respostas para “O Centro Cultural SESC Paraty”

  1. Mary disse:

    O que tem o Sesc a ver com população indígena?
    Essas questões devem ser levadas ao poder público.
    Sesc é uma instituição privada com objetos e fins voltados a atender sua clientela principal: comerciários e seus dependentes.

  2. Lana disse:

    Olá,
    Ref. o Festival de Jazz, acontecerá este ano de 2017?
    Se sim, quem coordena ? Com quem devo me dirigir (nome, email) p o envio de bandas a integrar o festival?
    Podem me ajudar?

    Sugiro a não publicação, mas o retorno sim OK?!

  3. Edson Tre disse:

    Olá a todos.

    Fico triste quando a passeio pelo centro, vejo os índios mostrando e vendendo seus artesanatos ou relento.

    Ficaria feliz se o se SESC fizesse algo que melhora-se e desse um de conforto a estes índios.

    Um breve relato. Visita que fiz na aldeia Paraty Mirim em dezembro de 2015, perguntei quantos índios alí moravam, o cacique Miguel Karai me respondeu que eram em mais ou menos 190 índios, e fiz nova pergunta , qual era a maior necessidade deles. Sem pensar o cacique respondeu Água para beber.
    Fiquei perplexo porque em frente à aldeia passa um lindo rio de água límpidas , ele respondeu quê está poluído , por uma comunidade que fica acima.
    Convite . Vamos alguma coisa juntos.

    Grato Edson Tre

    • Inayara Samuel disse:

      Edson fez um comentário acima que ninguém respondeu ou se colocou. Sobre qual é a postura do SESC e centro cultural frente aos indígenas .

  4. Maria lucia disse:

    Boa noite!
    Eu gostaria de receber as programações da cidade. E queria a do festival da pinga esse ano.

  5. Aline Brito disse:

    Gostei bastante da matéria

Deixe um comentário




*